O sistema de discrimin...digo, cotas!

4 Comentários »

Após escrever um post sobre nacionalismo, achei que não havia nada mais adequado do que expor minhas visões sobre um assunto nacional tão polêmico e, simultaneamente, oportuno, considerando o fato de sermos estudantes e, inevitavelmente, termos um vestibular a ser prestado em pouco tempo: o sistema de cotas.

Esse sistema garante a concessão de determinado número de vagas para que as pessoas excluídas socialmente, que não conseguem competir com os outros estudantes que estão prestando concurso, possam ter chances de melhorar de vida. São cotas relacionadas à raça e ao tipo de escola de origem (se é pública ou privada). No ato de inscrição em concursos públicos, após uma comprovação, o estudante que for afro-descendente e/ou vindo de escola pública entrará em um grupo que competirá por uma vaga dentre as reservadas exclusivamente para estes estudantes cotistas competirem entre si, não competindo assim com as pessoas de outras etnias e etc...

Agora que você, leitor, está mais familiarizado com esse sistema, revelarei o apelido do mesmo: discriminação.

Tratar esses jovens de maneira diferente é tratá-los como excluídos. E não apenas isso, é também chamá-los de incapazes, inferiores, ou seja, pessoas que não conseguiriam ser algo na vida por conta própria, apenas com a ajuda do governo. Porém, isso reflete em outra questão importante. Com isso o governo acaba admitindo que seu ensino público é realmente falho e não possui qualidade (paro aqui para ressaltar que público também é uma generalização pois temos escolas que se excluem desta situação usual). Um minuto! Vamos revisar esta idéia mais cuidadosamente... Isso mesmo leitor, significa que estão olhando para a nossa cara e dizendo: - Olha, eu estou ciente de não estar provendo uma educação qualificada e sabe o que eu penso sobre isso? Nada! Porque eu não estou nem aí!

Ao invés de tentar “mimar” países alheios, fraudar operações e etc, porque não investimos na educação?

Não! Pra que? É só criar o sistema de cotas que os alunos de escolas desqualificadas conseguem ingressar numa faculdade e no mercado de trabalho. (Gostaria de deixar claro que estou ciente do fato de que não são todos os cotistas que são desqualificados, ok?)

Conseqüência a longo (mas não pense no tempo geográfico, é um longo bem curto) prazo, as universidades públicas perderão a qualidade pois receberão estudantes mal-preparados. Isso acarretará em um número vasto de maus profissionais e, quem sabe o que mais acontecerá?

Agora, outra questão, a cota para afro-descendentes... Acho que esta representa a discriminação de maneira emblemática, mas há muito mais por trás disso. Por mais que seja discriminação, tenho minhas dúvidas em relação à validade da existência deste tipo de cota ou não porque, veja bem, em épocas coloniais, os negros eram tidos pura e simplesmente como escravos. Da África, vinha apenas mão-de-obra e esta triste realidade deixou chagas muito grandes nos corações dos descendentes destas almas sofredoras. A Abolição da Escravatura, ou melhor, a Lei Áurea foi o símbolo de uma ideologia que ficou no papel, mas não foi posta em prática. Escravidão não era apenas prender grilhões nos pulsos dos trabalhadores...Também era escravidão prover uma vida indigna, tratá-las como animais, sem comida decente, sem moradia decente, sem uma vida minimamente interessante de ser vivida. E isso não lembra algo dos dias de hoje? Lembra sim, a triste realidade das favelas, onde miséria e condições médico-sanitárias precárias ilustram o dia-a-dia de milhares de cidadãos que são completamente discriminados por sua etnia e classe social. E o mais triste, por um sentimento racista nascido em pleno colonialismo e presente até os dias de hoje que faz com que os afro-descendentes sejam privados de inúmeros elementos da vida, vivemos em uma absurda exclusão que ilustra o cenário social de nosso país.

Nesse aspecto, eu concordo com as cotas, porque são o único modo de incluir essas pessoas que são marginalizadas pelo sistema. Porém, não é certo discriminá-las, porque dizer que há cotas para negros é dizer que eles são menos capacitados do que as pessoas de outras etnias, o que não faz o mínimo sentido cientificamente. Mentes brilhantes são afro-descendentes e brilham por suas habilidades: Condoleezza Rice, Nelson Mandela, Malcolm X, Martin Luther King, etc...

Simbolicamente, se uma pessoa tem direito a uma cota, qualquer que seja o modo de conseguí-la, ela está sendo chamada de incapacitada. Eu, pessoalmente, detestaria me submeter a tal tipo de inferiorização.

O que me choca muito é ver que muitas pessoas que possuem o pai do pai do pai do pai negro tentam conseguir cota por causa disso. Não entendo... A sociedade: sempre tentando ser esperta... Mas tudo bem...

Agora, gostaria de concluir meu texto falando sobre um caso real de pessoa que veio de escola pública e passou em concurso público competindo com muitos estudantes de escolas privadas sem precisar de cotas: eu. Por isso penso que todos têm as mesmas condições de ingressarem em uma boa escola e terem um bom futuro. É necessária uma dose de perseverança e determinação, que combinados, rendem frutos muito bons. Ao invés de procurarmos facilidades, comodidades, devemos procurar desafios que nos façam adquirir mais experiência de vida. Vale a pena!

Concluo o meu texto com o seguinte trecho musical:

(...)We are the champions, my friends!

And we will keep on fighting, till the end (...)“

We Are The Champions - Queen


Um abraço!

Mahatma Naiads

4 Responses to "O sistema de discrimin...digo, cotas!"

Mahzinha Says :
27 de julho de 2008 09:43 Este comentário foi removido pelo autor.
Mahzinha Says :
27 de julho de 2008 09:44

Concerteza, esse sistema de "favorecimento" só causa discriminação, é mais um aspecto do sistema capitalista, nos deram uma pequena "vantagem" para nos acomodarmos e conformamos com a situação. Porém, desta vez, eles fracassaram por fazer algo tão obviamente idiota.

g.winme Says :
31 de julho de 2008 19:55

Todos os que tentam têm chances. Sim, acontece de alguns terem menas chances na vida, mas, ainda sim, são capazes de conseguir o que querem.

Porém, quanto ao governo admitir que suas escolas são de baixa qualidade, isso não é problema algum para eles. Quem analisa realmente as propostas de governo e faz alguma reflexão consegue entender que a educação é segundo plano hoje. E o governo não vê preocupação alguma em admitir isso.

Agora, se alguém quer saber o porquê de não investir em educação, a resposta é mais clara do que muitos pensam: Por motivos quase óbvios, o governo não ganha treinando mentes, pelo contrário. Por isso a mídia e o governo se aliam muitas vezes. Têm o mesmo objetivo.

Nilton Saldanha Says :
1 de agosto de 2008 14:58

Mesmo que seja um sistema racista, no que eu concordo plenamente, depois de 100 anos de atraso, acho que é uma medida válida. É melhor esse sistema racista includente do que um sistema não-racista que exclui. E eu fiquei até impressionado com o número de políticos e burgueses que se "preocuparam" tanto com esse caso de racismo. E , para completar, o argumento de que essas pessoas que passaram por cotas sofrerão preconceito no mercado de trabalho por terem passado por cotas (felizmente esse não foi usado aqui) perde o efeito quando se lembra que os que pasam por cotas farão as mesmas provas e terão as mesmas aulas do que os que não passaram.

Eu, apesar de concordar com as cotas , não usarei nenhuma delas para entrar na faculdade.

Postar um comentário