Os Verdadeiros Heróis OIímpicos

3 Comentários »
Não creio que um herói olímpico seja aquele que ganhe uma prova em condições adversas. Também não acho que se deva considerar, por exemplo, Vanderlei Cordeiro de Lima, o maratonista brasileiro que sofreu um ataque de um padre irlandês durante a disputa da maratona em 2004, um herói.

Nas olimpíadas de 1936, em Berlim, Adolf Hitler esperava comprovar a supremacia ariana sobre todos os outros povos. Ele faria isso com as vitórias de arianos sobre os outros povos nas várias modalidades, durante as provas. Ele, em parte, conseguiu isso, já que a Alemanha foi a primeira colocada com 33 medalhas de ouro.
Hitler se recusara a apertar a mão de um atleta negro do salto em altura, chamado Cornelius Johnson, e se havia retirado do estádio olímpico logo no primeiro dia. Jesse
Owens, um atleta americano negro, venceria, nos próximos dias, os 100m e 200m rasos, revezamento de 400m além do salto em distância. Tudo isso debaixo do bigode de Hitler, e na prova dos 200 m, com um alemão em segundo lugar. Owens mandou a supremacia de Hitler por água abaixo.
Porém, fez muito mais que isso, pois ajudou a aumentar o respeito dos cidadãos norte-americanos pelos outros afro-americanos.

Em 1968, tivemos outro caso histórico em olimpíadas, quando Tommie Smith e John Carlos, que ganharam ouro e bronze os 200m rasos, respectivamente, subiram ao pódio de cabeça abaixada e ergueram as mãos cobertas por luvas negras e punhos fechados. Era uma saudação Black Power, de apoio aos negros de seu país, que sofriam com a segregação racial. Ambos foram expulsos da delegação e da vila olímpica.

Vamos ver se haverá alguma manifestação de apoio ao Tibete nesse ano (acho que não, pois o Comitê Olímpico Internacional já se preveniu e proíbe qualquer atitude política de atletas durante os jogos, infração que é passível de desclassificação).

Alguns comentários sobre o Campeonato Brasileiro, que não para.
Como desce rápido o Flamengo!
E como nos surpreende o Vasco, que em 1 semana foi do inferno ao céu e voltou ao inferno.
E a torcida do Fluminense, que comemora a expulsão do próprio jogador?
E, finalmente, o único time do Rio em alta, o Botafogo, que parece ter encontrado uma maneira de atacar sem deixar muitos espaços, com Ney Franco. Com o técnico são 7 jogos, 4 vitórias, 2 empates, 1 derrota, 16 gols feitos e apenas 3 sofridos. Promissor!

3 Responses to "Os Verdadeiros Heróis OIímpicos"

Mahzinha Says :
5 de agosto de 2008 20:56

Isso me lembrou muito o livro A menina que roubava livros,de Rudy que enfrentou o preconceito de todos para correr. Gostei do post, gostei das curiosidades e principalmente de saber mais sobre Jesse Owens

L. Hobbit Says :
6 de agosto de 2008 19:26

Muito legal o assunto que escolheu.
É, os verdadeiros heróis olímpicos, ou talvez qualquer tipo de herói, é aquele que sai do seu ambiente e de suas pretensões e traz a atenção para outros ambientes, outras realidades, mostrando que nem tudo é perfeito e organizado como um jogo olímpico.

Abraços Nilton.

Matheus Says :
6 de agosto de 2008 20:13

acho ridículo esse tipo de atitude do comitê olímpico de proibir manifestações. a voz dos atletas não deve ser calada. isso não passa de uma atutude ditadora déspota... odeio essas coisas!

Postar um comentário